Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mochila Vermelha

Sex | 20.03.20

Incerteza

Olá Mochileiros e Mochileiras!

Hoje forcei um pouco a minha veia poética, escrevi os seguintes versos baseados nos tempos que se vivem. É um pouco melancólico eu sei, mas todos os meus poemas me saiem assim!

Incerteza

Nesta hora de incerteza,
Vejo-me lá fora,
Mesmo sem estar!
Olho-me do alto,
Belisco-me,
Para confirmar!

A ti, que me acompanhas
Olho-te nos olhos,
Mas não me refletes!
Confronto-te,
Mas não me respondes,
Não te comprometes!

Estamos juntos.
Dentro de quatro paredes, 
Mas continuamos sós!
Cada um no seu mundo,
Buscamos um futuro,
Pensamos no EU, em detrimento do NÓS!

No fundo trata-se apenas de um apelo ao sentido de cidadania e solidariedade. Pensemos todos mais no bem comum e menos no nosso umbigo.

Stay Safe!

IMG_20191110_154434443_HDR.jpg

 

Qua | 18.03.20

Curiosidades Culturais - Escoceses têm 421 palavras para neve

Olá Mochileiros e Mochileiras!

Por aqui continuo por casa, pelo que sobra um pouco de tempo para colocar a escrita em dia.

Como nos dias que correm viajar está claramente desaconselhado, ou diria mais, proibido, resolvi recuperar a minha rúbrica das curiosidades culturais. Assim posso viajar, pesquisar, aprender e até rir um pouco, sem sair do lugar. Uma viagem virtual, portanto! Nesta altura é algo muito útil e o que interessa é descontrair e relaxar!

Então, nas minhas pesquisas, descobri que os nossos amigos escoceses têm, nada mais nada menos, que 421 palavras e expressões para neve (snow)! E ainda dizem que o português é complicado!

Vamos então aprender um pouco:

- "Snow" - neve;

- "Snaw" - neve;

- "Sneesl" - começar a chover ou a nevar;

- "Skelf" - floco de neve grande;

- "Feefle" - redemoinho de neve (se percebi bem!);

- "Flindrikin" - leve queda de neve;

- "Snaw-pouther" - neve fina;

- "Spitters" - pequenas gotas ou flocos de chuva ou neve provocada pelo vento;

- "Unbrak" - o começo de um degelo (...).

Ok, já perceberam, certo? É um pouco semelhante ao nosso dicionário para os tipos de café.... Se quiserem continuar a aprender podem fazê-lo aqui.

1914514_154625268390_594037_n.jpg

 

Dom | 15.03.20

Responsabilidade

Olá Mochileiros e Mochileiras!

Ando já há algum tempo para colocar algumas ideias "no papel", ou seja, escrever aqui no blog. Nunca pensei que o faria nas condições que vivemos nos dias de hoje.

Confesso que quando começaram a surgir as notícias deste novo vírus na China, estava longe de imaginar que se iria propagar desta forma, nem com a gravidade que assistimos, muito menos que iria tomar a decisão de ficar em casa e evitar todos os contactos sociais. Felizmente, o meu trabalho permite-me continuar a realizar a maior parte das tarefas em casa, embora  algumas atividades presenciais já marcadas tenham sido adiadas, posso continuar a trabalhar em tudo o resto, que é muito!

Epidemias e pandemias não constituem uma novidade no mundo. Vou relembrar algumas:

- Peste Negra, ocorreu durante o século XIV, tendo sido responsável por cerca de 50 milhões de mortes (ou muitas mais). A sua causa reside numa bactéria denomidada de "Yersinia pestis". Desenganem-se se pensam que é algo do passado, pois, ainda é possível apanhar esta bactéria, segundo a OMS, entre 2010 e 2015 foram relatados 3248 casos em todo o mundo;

- Gripe Espanhola, provocada por uma pandemia de influenza (H1N1) entre os anos de 1918 e 1920. A sua taxa de mortalidade estimada foi de 1 em cada 5 casos. Estima-se que matou muito mais gente do que a primeira Grande Guerra. Aliás, ela espalhou-se tão facilmente devido exatamente à grande concentração de soldados que combatiam nesse grande conflito;

- Gripe Asiática, em 1957, devido ao vírus (H2N2). O primeiro caso surgiu em Singapura, alastrou para Honk Kong e daí para os EUA. Estima-se que provocou a morte a 1,1 milhões de pessoas;

- HIV/SIDA, foi descoberto nos anos 80 do século XX e rapidamente se espalhou por todo o mundo. Já causou 65 milhões de infeções e 25 milhões de mortes mundialmente. Felizmente os avanços da medicina já permitem uma relativa qualidade de vida a quem padece da doença;

- SARS (Severe Acute Respiratory Syndrome), foi identificado em 2002 na China. Seguiu-se um surto mundial que provocou cerca de 8 mil casos e 800 mortes. Trata-se de uma infeção por coronavírus;

- Gripe Suína (H1N1), ocorreu em 2009, foi detetado nos EUA, espalhando-se rapidamente por todo o mundo. Causou cerca de 274.304 hospitalizações e 12.469 mortes. Este vírus continua a circular e a causar hospitalizações e mortes;

- MERS (Middle East Respiratory Syndrome), ficou confinado à Península Arábica. Os primeiros casos foram reportados na Jornânia em 2012. Cerca de 3 a 4 doentes infetados em cada 10 morreram. No entanto, em 2015 ocorreu um surto na República da Coreia, relacionado com um viajante com origem na Península Arábica. Trata-se também de um coronavírus (MERS-CoV).

Poderia continuar a enumerar, mas acho que não vale a pena. A lição que podemos retirar da história é que vão continuar a ocorrer epidemias e pandemias e a humanidade cá estará para lutar e vencer.

Hoje em dia temos coisas a nosso favor, mas também contra. Por um lado, o nosso estilo de vida, a velocidade com que percorremos o mundo em trabalho, em lazer, por motivos de saúde, para visitar familiares e por aí fora é tão rápida que faz com que este tipo de doenças se espalhem muito mais rapidamente do que acontecia, por exemplo, na Idade Média. Por outro, a ciência e medicina estão muito mais avançadas, o que nos possibilita compreender os vírus e bactérias muito mais depressa e eficazmente.

Por agora, já sabemos o que temos que fazer. E neste momento, o melhor é não fazer nada! Apenas ficar em casa e praticar o distanciamento social. Se cada um de nós fizer a sua parte, menos espalharemos o vírus, fazendo com que o nosso sistema de saúde possa lidar adequadamente com os casos que vão surgindo.

Por isso, sejam responsáveis, façam a vossa parte e brevemente poderemos voltar a socializar e viajar!

Eu fico em casa, e tu?

287294-P6KAUW-183.jpg(Imagem de Freepik.com)

Nota, os dados foram recolhidos com recurso a várias fontes e notícias, incluindo a OMS (https://www.who.int/home) e o CDC (https://www.cdc.gov/).